Home » Política » Projeto de cargos e salários dos servidores do SAAE é devolvido por causar grande impacto financeiro a autarquia


Projeto de cargos e salários dos servidores do SAAE é devolvido por causar grande impacto financeiro a autarquia

O prefeito José de Ribamar Carvalho (PT) encaminhou para a Câmara Municipal de vereadores o Projeto de Lei N* 001/ 2019, de 25 de fevereiro de 2019, que Altera a Lei Complementar Municipal Nº 001/2018, que institui a estrutura de cargos e salários dos servidores do SAAE e dá outras providências. O Artigo 3º é claro ao dizer que o SAAE fornecerá mensalmente auxilio alimentação, com natureza indenizatória aos servidores ocupantes de cargos comissionados, no valor de R$ 600,00 (Seiscentos reais), fora os seus vencimentos e vantagens.

O referido projeto foi lido na Sessão da última terça-feira (12/03), mas apesar do pedido de urgência, foi devolvido pela segundo vez à Mesa Diretora para as devidas providências de adequações a LRF exigidas pelo Ministério Público de Campo Maior, sob penalização aos vereadores caso aprovado.

Vale salientar que os vereadores que usaram a tribuna para defender de imediato a aprovação do referido projeto eram exatamente opositores do prefeito Ribinha, como Sena Rosa, que dirigiu o SAAE na administração do ex-prefeito João Félix, Neto dos Corredores, antes um autentico oposicionista da atual gestão, além do vereador Paiva “O Lasqueirão”, que em todos os seus pronunciamentos dizia que o Aterro Sanitário iniciado na gestão do ex-prefeito Paulo Martins e nunca concluído, era um mar de “merda” invadindo a sua propriedade e residências de moradores na localidade Lagoa Seca.

O presidente da Câmara Municipal, vereador Fernando Miranda (PT), que recentemente teve um desentendimento com o prefeito Ribinha e sofreu retaliações na administração, como a destituição do técnico João Lima, que foi retirado da direção do SAAE. Foi taxativo em seu pronunciamento ao devolver o projeto para o Executivo Municipal, segundo o parlamentar, o referido projeto é inconsistente e causa um impacto financeiro no órgão

“É inadmissível um funcionário sair de R$ 3.500,00 para passar a receber um valor exorbitante de R$ 7.000,00 (Sete mil reais), não podemos ser irresponsáveis com esses altíssimos salários, pois os servidores do SAAE já são os mais bem pagos da atual administração, enquanto existe funcionários com mais de 30 anos de serviço e recebem apenas um salário mínimo.”

Com essas palavras o presidente Fernando Miranda encerrou a sessão convidando a população de Campo Maior, principalmente a classe dos servidores municipais que recebem apenas um salário mínimo, a comparecer na próxima sessão e protestar contra essa reforma administrativa.

Vamos aguardar o próximo capítulo dessa triste realidade que deve acontecer na próxima terça-feira.

Deixe seu comentário